13.9.07

O orgulho de uma nação!


Olá maltinha, escrevo-vos hoje porque é a única forma que encontro de expressar o imenso orgulho que tenho em ser português. Ora como já devem estar a adivinhar vou falar-vos desse grande evento desportivo que foi o jogo da nossa selecção contra essa grande potência do futebol mundial que é a Sérvia. É meu dever confessar-vos desde já que não sou propriamente fã de futebol, mas mesmo assim disse cá para os meus botões, epá hoje está fresquinho e tal, acho que vou visionar uma partida do desporto rei e aproveito apoio a nossa a nossa amada selecção, mas uma vez que já não arranjei bilhetes para ir ver o jogo Portugal vs. Coreia do Norte a contar para o campeonato mundial Sueca em pista coberta, lá tive eu que me contentar em ver o joguito de futebol sentadinho no meu sofá. E lá estava eu a ver os 22 maluquinhos a correr de um lado para o outro a perseguir o esférico (que é para não dizerem que não domino o vocabulário) quando, para meu espanto, um jogador português consegue por a bola entre dois postes brancos que estavam espetados no relvado (tipo baliza de rugby mas mais pequena, não sei como se chama) e toda a gente começou aos gritos e eu pensei, ei isto deve ser uma coisa boa, mas depois vi os restantes jogadores de Portugal a saltarem para cima do desgraçado que tinha chutado a bola, e aí pensei, olha, tu queres ver que não se podia fazer aquilo e agora os outros vão todos bater-lhe, mas depois o meu pai disse que eu não precisava de me preocupar porque o futebol era um desporto de cavalheiros portanto ninguém batia em ninguém. Ora o jogo lá continuou entretanto um senhor de preto apitou e os jogadores foram todos embora, devia ser tipo campainha para o jantar ou coisa do género, é bom que nestes ambientes desportivos se viva um clima de disciplina. Uma coisa que eu já não gostei tanto de ver foi que passado um quarto de hora de os senhores irem jantar voltaram para o campo para jogarem mais, não tem jeito nenhum, nem tiveram tempo de fazer digestão, será que esta gente não tem pais, depois não é de estranhar que eles morram em campo. Bem ou mal o jogo lá prosseguiu e quase no final os craques da sérvia conseguíram fazer aquela cena com a bola que os nossos meninos tinham feito no início, mas aí já quase ninguém no estádio festejou, deviam estar distraídos. Até aqui devo confessar-vos que estava a ficar um pouco aborrecido com isto tudo, e começava já a interrogar-me sobre o motivo de tanto alarido à volta do futebol, mas foi aí que começou a parte interessante, houve um senhor da servia que tinha um nome muito parecido com o de um medicamento para a uticária no escroto (o facto de eu saber nomes de medicamentos para este tipo de problemas não quer dizer que alguma vez os tenha tomado- aprendi uma ocasião num trabalho de ciências da natureza) que vai falar com um senhor que estava sentado num banco ali ao pé, e não é que os dois começam à pêra. Bem para dizer a verdade o Sr. do Banco tenta dar um soco à menina ao outro e depois foge a correr (imaginem lá, que o soco foi de tal forma fraquinho que não conseguiu deitar ao chão um jogador de futebol, que são aqueles gajos que caem quando alguém lhes respira para cima). Pensava eu que tinha acabado o espectáculo quando o sr do murro vem fazer um momento de stand-up para um jornalista que andava por lá. Depois do número do sr eu fiquei a saber a muito custo que ele era o treinador da equipa portuguesa, e digo a muito custo, porque o sr tinha um sotaque bastante cerrado (talvez fosse açoriano, não sei). Ora depois de tudo isto resta-me apenas dizer que nunca senti tanto orgulho em ser português como hoje visto que conseguimos esse feito que é empatar com uma potência do futebol como a Sérvia e de bónus o nosso treinador ainda espetou um banano na tromba de um sérvio. Ainda bem que damos tanta atenção ao futebol, se não, ainda caíamos na tentação de ligar alguma aos gajos do basket que só conseguíram chegar à segunda eliminatória do campeonato europeu, ou pior aos do rugby que se qualificaram para a fase final do campeonato do mundo contra todas as probabilidades, não não, era o que faltava. Deixo-vos, fazendo só um pequeno pedido, se algum dos meus leitores perceber alguma coisa de boxe, kickboxing, porrada de rua ou algum desporto do género, por favor ofereçam-se para dar umas liçõezinhas ao sr Scolari para ver se ele para a próxima ao menos parte o nariz a alguém.

GONDOMAR!!! GONDOMAR!!! GONDOMAR!!!

1 comment:

Butterfly said...

Eu ofereço a minha avó para lhe ensinar..ou o meu primo de 3 anos...Eram bem capazes de ser mais eficaz que o Sr. Treinador.. E o Sr. com o nome de medicamento no final nao ia dizer que o meu primo de 3 anos lhe tocou "ao de leve" na face.. Ainda bem que não é ele o treinador da equipa de rugby..sim, pq se fosse os jogadores não sabiam o que eram placagens e neste momento não estariam a competir em lado nenhum a não ser num jardim situado nas traseiras de uma casa qualquer... Ai, que ser português tem que se lhe diga...